Venda Coberta: a Oitava Maravilha do Mundo

A venda coberta mudou minha vida. Acha que estou exagerando?

E o que essa vaca tem a ver com isso?

Quando eu comecei a investir, fazia o famoso Buy and Hope (hope mesmo, ainda não sabia o que estava fazendo). Comprava ações e torcia para elas subirem. Algumas subiam – às vezes. E outras vezes, insistiam em cair por dias seguidos para se recuperarem na sequência e fecharem o mês no zero a zero.

E se o mercado de ações subia, eu olhava para meu capital na renda fixa rendendo mal 1% e ficava triste.

Essa coisa toda de depender exclusivamente da sorte não mexe comigo.

Foram tempos difíceis.

Eu já conhecia opções. Até onde eu entendia, eram papéis “filhos” das ações (ok, o nome correto é derivativo, mas isso eu só fui aprender mais para a frente. Acompanhe meu raciocínio, não seja assim). Se a ação “mãe” subia 1%, a opção “filha” subia uns 20%. O contrário também é verdadeiro: ação cai, opção desaba. E elas vencem em determinada data. Depois disso, passam a valer zero: literalmente deixam de existir. Selvagem.

Então opção sempre foi uma espécie de caça niqueis para mim. Colocava 10 reais na possibilidade de ganhar 100. E não tem nada de errado nisso, é uma estratégia muito comum e que pode trazer bons resultados. Mas essa coisa toda de depender exclusivamente da sorte não mexe comigo.

 

Interface do homebroker operando opções (mentirinha)

 

Depois de muitos cursos, eu fui aprender que opções são derivativos. Nada mais que um contrato (por isso vencem em determinada data, quem diria). Contrato de que você se pergunta? Ora, de comprar ou vender uma ação, a um valor determinado nesse contrato. Por isso existe o papel “filho” e o papel “mãe”.

Quem tem uma ação, pode vender um contrato dela. Isso se chama Venda Coberta de Calls. É “coberta” porque seu contrato está coberto pelas suas ações. Funciona assim:

Quem tem uma ação, pode vender um contrato dela. Isso se chama Venda Coberta de Calls.

Eu tenho uma ação de Banco do Brasil a R$ 28, e fecho um contrato de venda a R$ 29. Em troca, recebo imediatamente 85 centavos na minha conta. Por cada ação. Se eu tenho 100 ações na carteira (o que é um lote padrão), são 85 Reais. Ganhei 3%, nada mal! Se a ação chegar ou passar de 29 reais na data final do contrato, o sistema automaticamente vende minhas ações (mas vende aos R$ 29, o lucro acima disso já não é meu, mas de quem comprou). Ou seja, ganhei mais 3%. Se a ação cair, ou não atingir esse valor até o término do contrato, o contrato se encerra, eu mantenho a minha ação (já ia ficar com ela mesmo) e fico com o dinheiro que me foi pago.

Interessante?

E existe a Venda Coberta de Puts. Nessa modalidade, você ainda não tem a ação. Seu dinheiro fica no Tesouro Direto. Está lá rendendo por volta de 0,7%. Mas você gostaria de ter algumas ações de Banco do Brasil (só exemplo). Mas você não quer pagar os R$ 28 que está a mercado. Mas compraria a R$ 27. Então você vende Puts, que são um contrato de compra (soa esquisito, eu sei). E embolsa os seus centavos (aqueles 3%). Se a ação fechar abaixo daqueles R$ 27 ao encerramento do contrato, o sistema automaticamente usa seu dinheiro investido para fazer a compra dessa ação, no preço que você acordou. E com a ação em carteira, agora eu posso agora fazer uma venda coberta de calls. 😉

 

Captura do momento da Venda Coberta (bigodes são opcionais)

 

Dá pra repetir essa operação mensalmente (os contratos são mensais).

Então fez-se a luz.

Dá pra ganhar dinheiro de maneira consistente com isso? Claro que sim.

E como já tinha uma carteira de ações e tesouro direto, descobri que esse tempo todo estava sentado em cima de uma vaca leiteira (olha a vaca aí). Aí foi só aprender a ordenhar o bicho. E isso você faz pelo homebroker, onde estiver.

Dá pra reinvestir esse dinheiro pra gerar mais dinheiro? Dá sim.
Dá pra usar esse dinheiro pra ir ao cinema? Claro, por que não?
Dá pra parar de trabalhar e viver de renda? Ora, ora, temos um Xeroque Rolmes aqui.

Claro que estamos falando de renda variável. Ela varia pra cima e pra baixo também. Tem dias bons e tem dias ruins. É necessário disciplina e conhecimento.

Eu abordo tudo isso e as melhores estratégias no meu curso A Estratégia do SuperSalário.

Se você se animou com a ideia, inscreva-se agora! Todo mundo pode ser um fazendeiro e cuidar das suas vaquinhas.

Marcelo Przedzmirski

Marcelo Przedzmirski investe no mercado financeiro há mais de 10 anos e é Gestor do Fundo de Investimentos Alfa Capital. MBA em Gestão Estratégica de Empresas pela FGV e MBA em Gestão Financeira: Mercados Financeiros e de Capitais, também pela FGV.